Diário do Nordeste Plus

Onde estudar idiomas na internet

Para quem precisa especializar-se em um segundo idioma, mas não tem tempo de frequentar um curso físico, selecionamos opções on-line, do inglês ao mandarim

Publicidade

Texto: Nayana Siebra

Em um mundo globalizado, o contato com pessoas de outros países e culturas é cada vez mais comum e aprender novos idiomas torna-se praticamente uma obrigação da vida contemporânea. E a falta de tempo para dirigir-se a uma escola especializada ou de dinheiro para investir em um curso já não são mais desculpas. Com a ajuda da tecnologia, novos cursos online surgem diariamente, com metodologias e preços variados, além de programas para quem quer começar a aprender do zero até para aqueles que já possuem algum domínio da língua pretendida.

Inglês, espanhol, mandarim, alemão e inúmeros outros idiomas podem ser aprendidos por meio da internet. Em comum, as ferramentas disponíveis buscam ofertar aos alunos atendimento mais personalizado, com horários flexíveis e planos de estudos voltados para a necessidade dos estudantes, a preços que variam de acordo com a intensidade das aulas e programas escolhidos.

Por disporem de conteúdos mais individuais e serem flexíveis, esses cursos são também uma boa alternativa para quem busca alavancar a carreira, tendo em vista que a fluência em um segundo idioma vem se tornando exigência dos processos seletivos.

Segundo pesquisa dos profissionais brasileiros realizada pela Catho em 2014, 10,3% dos entrevistados estudaram idiomas à distância. Do total ouvido pelo levantamento, 27,6% afirmaram que estão matriculados em cursos de línguas para atualizar conhecimentos. O estudo mostra ainda que quanto maior o nível hierárquico, maiores são os entendimentos em Inglês e Espanhol.

Fonte: pesquisa dos profissionais brasileiros realizada em 2014 pela Catho
27,6%
estão matriculados em cursos de idiomas para atualizar conhecimentos
10,3%
fizeram curso de idiomas à distância

Por outro lado, um levantamento da British Council mostra que os brasileiros enxergam esses cursos totalmente a distância com alguma desconfiança. Conforme a pesquisa, os alunos afirmam que os cursos online exigem disciplina extra, sendo difícil, muitas vezes, se dedicar a eles.

“A falta de cobrança, de presença e a concorrência com outras atividades – como o lazer e o cuidado com o lar – fazem com que os alunos abandonem o curso facilmente. O brasileiro ainda prefere uma relação “olho no olho” com os cursos de inglês, com a presença física do professor, o que faz com que a qualidade do curso online seja vista como inferior à dos cursos presenciais”, aponta o estudo.

Então, se você tem dúvidas sobre a escolha do curso e ainda não se convenceu que aprender ou aprimorar uma nova língua é essencial para o seu currículo, veja a seguir a opinião de uma assessoria de carreiras e conheça algumas opções online que podem te ajudar a ter fluência em Inglês ou até mesmo em mandarim.

Aprender uma nova língua valoriza currículo

A assessora de carreiras da Catho, Elen Souza, reforça que investir nesse aprendizado valoriza o currículo, até nos cargos mais gerenciais. Segundo ela, o mercado de trabalho está cada vez mais exigente no que diz respeito à formação e educação continuada. E para um profissional que almeja crescimento em sua carreira, o segundo idioma é extremamente importante.

“A exigência da língua estrangeira depende muito da necessidade desse idioma na área e no cargo em que o profissional atua, no entanto este diferencial se torna cada vez mais relevante para as organizações”, revela Elen.

A assessora de carreiras explica ainda que o inglês continua sendo o idioma mais importante, seguido pelo espanhol, pois são as línguas mais usadas em reuniões ou encontros internacionais, por exemplo. Em relação ao mandarim, ela afirma que a fluência pode ser mais um diferencial, porém esta demanda ainda é pequena.

“O mandarim tem ganhado força e é uma opção para profissionais que tenham a intenção de atuar em empresas chinesas ou em empresas brasileiras que possuem relações com grupos chineses. No entanto, o inglês e o espanhol ainda continuam sendo os idiomas mais exigidos nos processos”, afirma.

EF Englishtown

CursoPreçoPerfil
EF EnglishtownA partir de R$189/mêsAlunos de 25 a 40 anos, porém, há um aumento no número de usuários com idade entre 50 e 60 anos

Com objetivo de dar ao aluno o controle do plano de estudo, o EF Englishtown disponibiliza sua plataforma para que os internautas decidam quando e quanto querem aprender. Os estudantes não têm tempo fixo para se dedicarem por dia, pois são eles quem ditam os próprios ritmos, apesar da escola orientar através de um sistema de plano de estudo.

Os usuários do EF Englishtown têm acesso a atividades interativas, vídeos com situações reais, dicionário, laboratórios e aulas com professores nativos para treinar o inglês. A plataforma dispõe desde cursos para quem está começando do zero como teste de nível para indicar em qual dos 16 níveis o aluno poderá começar.

“As lições interativas vão ajudar o aluno a desenvolver o inglês passo a passo. Nosso sistema acompanha de perto este progresso e desempenho em todas as etapas do caminho de cada aluno. Assim, registramos tudo que o aluno faz para orientar como melhorar. E há muita oportunidade de praticar o inglês em nossa plataforma, porque as aulas de conversação começam a cada meia hora, sem necessidade de agendar”, explica Vanessa Spirandeo, gerente de Assuntos Acadêmicos da Englishtown.

A gerente revela ainda que o número de cearenses que estuda no EF Englishtown tem crescido, em especial, em Fortaleza. Segundo a gestora, o foco da escola são em alunos de 25 a 40 anos, porém, há um aumento no número de usuários com idade entre 50 e 60 anos.

“Os adultos são a maioria de nosso público até pela facilidade que nossa metodologia de ensino proporciona em poder encaixar as aulas nos horários que tiverem disponíveis fora da rotina de trabalho” diz Spirandeo.

Já em relação aos preços, o EF Englishtown informa que possui cursos que custam a partir de R$189/mês, além de planos variados que contemplam diversas necessidades e bolsos.

Acesse: www.englishtown.com.br

Open English

CursoPreçoPerfil
Open English80 dólares por mêsAdultos e a maioria possui entre 18 e 70 anos

Aulas ao vivo, diversas lições e ferramentas para a prática do idioma são as apostas do Open English para que o internauta consiga se tornar fluente no inglês. A plataforma oferece aulas com professores norte-americanos que escolhem dois tópicos por dia, além de lições multimídias de gramática e vocabulário e seções práticas as quais permitem que os alunos gravem a própria voz para testar pronúncia ou escutem podcasts e leiam notícias em inglês.

De acordo com a Open English, a plataforma é voltada para adultos e a maioria possui entre 18 e 70 anos. Não é necessário ter algum conhecimento do idioma para começar a utilizar o site. A escola oferta cursos para quem quer começar do zero e teste de nível para os que já possuem certo conhecimento.

A média de preço do curso é de 80 dólares por mês com número ilimitado de acessos, no entanto, a plataforma afirma que os estudantes podem encontrar diversos descontos na página na internet.

Acesse: www.openenglish.com.br

Inglês Online

CursoPreçoPerfil
Inglês onlineCurso básico custa R$ 297Maioria é formada por alunos que já iniciaram os estudos do idioma em 2 ou 3 escolas diferentes

O Inglês Online é um site que disponibiliza cursos que prometem levar o aluno do nível básico ao pré-intermediário. Além das aulas, a ferramenta oferece, livremente, aos internautas dicas, lições, exercícios e um podcast semanal em inglês.

Segundo a criadora da plataforma, Ana Luiza Bergamini, o curso é recomendado para quem está determinado a aprender ou melhorar o inglês e vai conseguir interagir com o site durante o dia a dia, usando os materiais ou arquivos de áudio, por exemplo. Já a média de preço varia de acordo com o curso selecionado. O básico, por exemplo, atualmente custa R$ 297.

A criadora afirma que o Inglês Online é procurado por diversos perfis, sendo a maioria formada por alunos que já iniciaram os estudos do idioma em 2 ou 3 escolas diferentes, porém acreditam que não evoluíram. Bergamini destaca ainda que 90% dos usuários são brasileiros e há também os que começam do zero e aqueles com mais de 60 anos que querem realizar o sonho de falar inglês.

“Quase 90% dos usuários do site está no Brasil, e cerca de 10% no resto do mundo. As mulheres são um pouco mais da metade. O Ceará é o nono Estado brasileiro que mais acessa o site. Já na nossa página do Facebook, Fortaleza aparece como a quarta cidade que mais tem fãs, atrás apenas de São Paulo, Rio e Salvador”, explica a criadora.

Acesse: www.inglesonline.com.br

Hi!China

Hi!China
CursoPreçoPerfil
Hi!China4 aulas por mês a R$ 179,00Idade varia de 10 a 75 anos, mas maioria tem 30 anos

O inglês não é o único idioma que é possível aprender por meio da internet. Quem busca se tornar fluente em mandarim também encontra escolas que oferecem aulas com professores nativos e uma série de exercícios que aproximam o estudante da língua.

Funcionando desde 2010, a Hi!China é um desses cursos que ensina mandarim online. A escola tem, atualmente, mais de 1.000 alunos cadastrados, sendo, a maioria formada por brasileiros. Desde total, no mínimo, sete são cearenses.

Segundo o site, todos os professores são da China ou do Taiwan e ministram as aulas em português ou inglês até que o aluno consiga se comunicar em mandarim. As lições ocorrem individualmente, em tempo real, através do Skype utilizando áudio ou áudio e vídeo.

Durante as aulas, alunos e professores podem se conectar à Sala de Aula Virtual, que é um sistema da Hi!China que permite que todos visualizem os slides de aula sincronizadamente. A escola fornece ainda plataforma na qual é possível baixar resumos de aulas, livros de leitura, de caligrafia e gramática, resolver exercícios online, utilizar cartões de memória para se lembrarem das palavras aprendidas, interagir com o seu professor através de mensagens e agendar as aulas.

De acordo com a Hi!China, o perfil dos alunos é bastante diversificado, sendo a maioria formada por pessoas que desejam viajar à China ou fazer negócios com os chineses. A idade varia de 10 a 75 anos, mas grande parte dos estudantes tem por volta de 30 anos. A parcela de homens é de 61% e de mulheres é de 49%.

Com planos de 4 aulas por mês a R$ 179,00, o curso afirma ainda que é preparado para ensinar do nível mais básico até o mais avançado. Caso o aluno já tenha conhecimento prévio em mandarim, um professor pode realizar um teste de nivelamento para que este comece a aprender a partir de um nível mais alto.

Acesse: www.hichinaschool.com

Mais de 14 idiomas em uma plataforma

CursoPreçoPerfil
BabbelR$ 23,85 por um mêsNão divulgado

Desde 2007 no mercado, a Babbel oferta cursos de 14 idiomas em 7 línguas, do inglês ao indonésio, que podem ser acessados do computador, smartphone ou tablet. O site recebe mais de 120 mil inscrições por dia e possui mais de 8 mil horas de material para todos os idiomas de aprendizado e de referência.

O aplicativo é baseado em gerenciamento de dados e constantemente melhorado através da utilização efetiva. A empresa emprega, atualmente, um time de mais de 350 colaboradores em suas sedes em Berlim e Nova Iorque. Já os preços dos cursos variam de acordo com a quantidade de meses selecionados ou idioma. O inglês ou espanhol, por exemplo, custam R$ 23,85 por um mês.

Os 14 idiomas disponíveis são: inglês, alemão, espanhol, italiano, francês, português brasileiro, turco, polonês, indonésio, holandês, norueguês, dinamarquês, sueco e russo.

Acesse: www.pt.babbel.com

5 dicas para aperfeiçoar o inglês e alavancar a carreira

Se o seu inglês “avançado” se tornou insuficiente para alçar voos maiores na carreira, confira as dicas que o Cambly separou para te ajudar nessa conquista. Clique para saber mais.

Ouça música

Compre um livro bilíngue ou totalmente em inglês

Incentive um English Day na empresa

Informe-se em inglês!

Use apps, faça exercícios e pratique

Cursos não são regulados ou supervisionados pelo MEC

Essas plataformas de ensino de idioma online são cursos livres e, por isso, não são regulados ou supervisionados pelo Ministério da Educação (MEC) ou pelos sistemas de ensino (municipais e estaduais). De acordo com a Pasta, esta só regula a educação formal tendo em vista a definição da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB).

O MEC diz ainda que denúncias ou reclamações a cerca da qualidade desses cursos devem ser encaminhadas para os órgão de defesa do consumidor. Leia abaixo a nota do Ministério encaminhada a reportagem sobre o assunto:

“É definido pela Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB) que o MEC e os sistemas de ensino (municipais e estaduais) regulam a educação formal. Os cursos livres, de educação não formal, desenvolvem atividades educacionais que podem ser complementares à educação escolar; entretanto, esses cursos e programas de educação não formal, assim como as instituições que os ministram, não compõem os sistemas de ensino previstos na LDB, não sendo por eles regulados ou supervisionados. Esses cursos podem emitir certificados, sem validade para continuação dos estudos formais, mas que podem servir para o mercado de trabalho, na busca de emprego, ou para enriquecer o currículo. Casos de denúncias ou reclamações da qualidade dos cursos devem ser encaminhados para os órgãos de defesa do consumidor”.

Problemas com cancelamento são reclamações recorrentes

Das escolas citadas até aqui, apenas duas aparecem no site Reclame Aqui, que são a EF Englishtown e Open English. O problema mais comum relatado pelos consumidores são em relação ao cancelamento do curso, multas e mensalidades indevidas.

A reputação do EF Englishtown é boa, sendo a nota do consumidor de 6,72. O tempo médio que a escola demorou a responder, nos últimos 3 meses, foi de 3 dias e 8 horas. 100% das reclamações foram atendidas, destas 89,7% foram resolvidas e 51,8% afirmaram que voltariam a fazer negócio.

Já a Open English tem reputação classificada como regular, com nota do consumidor de 5,29. O tempo médio que a escola demorou a responder, nos últimos 3 meses, foi de 18 horas. 97,7% das reclamações foram atendidas, destas 45,1% foram resolvidas e 41,8% afirmaram que voltariam a fazer negócio.

Veja opções de cursos de graça

Nem todos os cursos de idiomas na internet são pagos. Há alguns sites que ofertam aulas e outras ferramentas que podem auxiliar no aprendizado de um novo idioma. Confira a lista abaixo com algumas opções:

Curso de Inglês da BBC

Exige algum conhecimento da língua, é gratuito, de nível intermediário e inclui vídeos e áudios. Site: www.dw.com/en/learn-german/german-courses/s-2547

Alemão na Deutsche Welle

O curso gratuito da TV alemã, com vídeos e podcasts, serve tanto para iniciantes quanto para quem quer treinar. Site: www.bbc.co.uk/learningenglish

Japonês na NHK

O site oferece 48 lições gratuitas em forma de podcast, com texto abaixo dos áudios. Site: www.nhk.or.jp/lesson/Portuguese

Francês na TV5

É preciso saber outro idioma, como inglês ou espanhol, para aproveitar as aulas gratuitas da emissora francesa. Site: www.apprendre.tv5monde.com

Confira alguns aplicativos que podem auxiliar na hora de aprender um idioma

Duolingo logotipo

É indicado para quem quer aprender um novo idioma de forma divertida e sem pagar por isto. O app, que possui versões para iOS, Android e Windows Phone, oferece ferramentas e exercícios para ensinar o inglês, além de outros idiomas como francês e alemão.

pt.duolingo.com

cambly logotipo

Propõe aos usuários praticar o idioma através de conversas com estrangeiros. Para isso, o programa oferece acesso instantâneo a pessoas que falam inglês através de bate-papo em vídeo. O programa está disponível para iOS e Android.

www.cambly.com

Aplicativo propõe que o usuário aprenda brincando e funciona para iOS e Android. Ele disponibiliza 7 tipos de treino, cursos de gramática, vídeos, músicas e textos. Ensina inglês com lições interativas, mostrando a tradução e tudo com a ajuda de um leão como instrutor.

www.lingualeo.com

Confira alguns erros comuns em inglês

No Blog do EF Englishtown há uma série de dicas gratuita de inglês. Veja a seguir algumas delas, de autoria de Bruno Lopes e Nina Ragusa para o site da escola:

Misuse of articles

Um erro muito comum na hora de escrevermos em inglês é a colocação dos artigos. A maneira mais fácil de entender quando usar artigos (a / an / the) em inglês é lembrar das regras:

The é artigo definido, ou seja, refere-se a algo específico. A/ an são artigos indefinidos. Ambos relacionam-se a coisas não específicas, ou seja, se falarmos “An apple is on the floor”, queremos dizer que uma maçã qualquer está no chão. Agora, se falarmos “The apple is on the floor”, significa que uma maçã específica, provavelmente mencionada ou contextualizada antes, está no chão.

Irregular Verbs

Esse é um erro comum e que necessita de prática e muito estudo. Decorar a forma irregular dos verbos no passado é uma tarefa que só com o tempo (e com exercícios) aperfeiçoamos. Na dúvida, imprima a tabela de verbos irregulares e coloque-a junto com seu livro de inglês ou na área de estudos. Assim, sempre que bater aquela insegurança na hora de escrever, você pode olhar lá e escrever certo! :)

Subject and Verb Agreement

Na hora de escrever em inglês, muitas vezes cometemos deslizes inconscientes, como, por exemplo, quando vamos escrever sobre ações que alguém (o sujeito) pratica. Muitas vezes, esquecemos que a terceira pessoa do singular modifica o verbo, obrigando-o a levar um “–s” no final. Observe:

Preposições em inglês: in, on, at

Quando for falar de tempo, use in para se referir aos períodos maiores e menos específicos, como uma parte do dia, um mês, uma estação ou um ano. Quando for falar de lugares, use in também com os maiores, como cidades, lojas, países, bairros e partes da casa.

A palavra on, quando se referir a tempo, fica para dias e datas específicos. Para falar de lugares, on é usado com superfícies, como ruas ou objetos em cima de outros.

Até usado para horários, momentos específicos. Com lugares, at acompanha locais específicos.